domingo, 24 de maio de 2009

Vendedor de palavras

Apareceu de repente. Tinha cheiro de incenso e tatuagens no corpo. Queria vender suas poesias. Se verdade ou mentira o que ele me falou, acolhi seu trabalho de vendedor de palavras. A poesia que escolhi em nada me interessava. Era tola demais na minha concepção, mas falava de amor. Amor à primeira vista. Segundo ele, a mais vendida. Antes de sair, ele me disse que não acreditava no que havia escrito e que aquela poesia era mera ilusão. São palavras ao vento – disse ele. Eu não acredito no amor – acrescentou. Paguei 1 real. Agradeceu, apertou minha mão e disse: Talvez não valesse 1 centavo, mas o melhor que ganhei hoje foi o seu sorriso.

3 comentários:

Priscila disse...

"Talvez não valesse 1 centavo, mas o melhor que ganhei hoje foi o seu sorriso."

Ele abrilhantou a própria presença neste momento...ao finalizar com esse dizer!

Edu O. disse...

a poesia que, talvez , faltou a ele, se completou em vc aqui.

Clarinhaaa disse...

Uma vez, poeta... sempre poeta.

são verdadeiros rico em palavras.. se fossem vendê-las, estariam ricos.

Mas como ele mesmo disse, um sorriso vale mais que qquer dinheiro...

beijos