sábado, 7 de novembro de 2009

Momento dadaísta

O clima ficou pesado entre nós, a brincadeira deles exigia uma platéia e não estávamos a fim de participar. A outra viagem que não cessa? Na varanda, lá fora, há dezenas de espanta-espíritos em cerâmica. O passado é como o mar: nunca sossega. Na vocação pela vida está incluído o amor, inútil disfarçar, amamos a vida. Entro no sol, atravesso seu coração vermelho-cálido e acordo num campo de ouro que pode ser também o mar. Assim que abri a porta de casa, saiu ao meu encontro a sensação física de que eu não estava sozinho. Óbvio. Silêncio. História. Vida. Noturnas. Sobreviver. Intermitências.


(Fragmentos de livros de Agualusa, Lygia Telles, Saramago e Beatriz Brecher, não necessariamente nesta ordem, escolhidos ao léu)

4 comentários:

Cristiano Contreiras disse...

Parabéns pela proposta do blog, Andreia! abs e seguirei!

Lucas Lima disse...

uma parte melhor que a outra, muito bom mesmo,
"Entro no sol, atravesso seu coração vermelho-cálido e acordo num campo de ouro que pode ser também o mar."
Bacanissimo, rs
bons dias

Evelyn Colly disse...

Lindos trechos, já procurei até o livro e lerei com certeza.
adorei o blog, estarei sempre aqui para ler.

beijos...

Andréia M. G. disse...

Cristiano - Bem-vindo ao jardim!

Lucas - O trecho que você gostou é um de meus preferidos, é de Lygia Fagundes Telles.

Evelyn - Na verdade, os trechos foram retirados de vários livros de autores diferentes, como citei no comentário ao pé do texto. De qualquer forma, fico feliz que tenha gostado.

:-)